Current track

Title

Artist


Tem 95 anos e não desiste de um mundo melhor

Written by on 25 de Janeiro, 2023

De bandeira ao ombro, Alfredo Fernandes luta por aquilo em que acredita.

Alfredo Fernandes, de 95 anos não desiste de lutar por um mundo melhor. De bandeira ao ombro, sempre que desce a Avenida da Liberdade, em Lisboa, comemora a Revolução dos Cravos ou o Dia do Trabalhador.

Distingue-se pela sua elegância e pelo ar imponente com que caminha, que rapidamente se torna num sorriso sincero quando é abordado por alguém.

O olhar vivaz de quem luta pelo que acredita fê-lo estar também na manifestação contra a queda da lei que criminaliza os maus-tratos a animais, no passado sábado, 21 de janeiro, em Lisboa.

“Estou aqui para defender a causa dos animais. Nós também não somos animais? E não queremos ser maltratados. Eles não se podem defender e eu estou aqui por eles. E também temos, mais tarde ou mais cedo, de acabar de vez com as touradas”, afirmou Alfredo Fernandes numa entrevista dada à PiT.

Para Alfredo, a perspetiva de inconstitucionalidade da lei não faz qualquer sentido. “Eles querem abolir a lei e isso não está certo. É uma injustiça”, lamentou.

“Nasci em 1927. E não me posso queixar da vida. Ainda tenho umas hortas, ainda trabalho nelas e vou tendo as minhas couvezinhas. Uma pessoa, quando se levanta, deve ter um objetivo. E o meu agora é esse, trabalhar nas minhas hortas. Tenho uma galinha de estimação. Adoro a bichinha”.

Alfredo Fernandes é de Vieira do Minho e vive em Odivelas. Foi de lá que saiu cedo, logo a seguir ao almoço, para estar presente na manifestação a tempo e horas. “Vim sozinho nos transportes”, diz com o orgulho de quem se sente autónomo.

“Já sou viúvo há quase quatro anos e vivo sozinho. Gosto de vir a estes eventos em que acredito porque as pessoas também gostam de me ver e eu sinto-me feliz por isso. Quando vier o 25 de Abril e o 1.º de Maio, se eu estiver cá, lá estarei porque gosto de participar”.

Com a bandeira de Portugal ao ombro, percorreu ao longo de quatro horas, a chegada até ao Rossio.

Fonte / Fotografias: NIT.


Reader's opinions

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *