Current track

Title

Artist


António Costa quer vacinação de crianças e jovens entre 12 e 17 anos até setembro

Written by on 21 de Julho, 2021

O Governo e partidos analisaram hoje, na Assembleia da República, a situação do país.

Decorreu esta quarta-feira, na Assembleia da República, o debate sobre o Estado da Nação.

Neste colóquio, o Governo e partidos analisaram a situação do país, numa sessão de quase quatro horas.

Na sua intervenção, António Costa começou por anunciar aquela que será uma nova “ambição” no processo de vacinação contra a Covid-19.

“Estamos numa corrida contra o tempo, uma corrida entre a vacinação e a sucessão de novas variantes”, começou por afirmar o líder do Executivo.

O primeiro-ministro não esconde a urgência que é, no seu entender, vacinar a população mais jovem até setembro.

“Como previsto, em meados de agosto teremos 73% da população adulta com a vacinação completa e 82% com pelo menos a primeira dose administrada. É tempo de alargar a nossa ambição e garantir também a proteção das crianças e jovens“.

“Devemos fazê-lo atempadamente, de modo a que o novo ano letivo se possa reiniciar sem risco de novas interrupções no ensino presencial”, revelou antecipando o novo ano letivo que se aproxima. 

“Aguardamos uma decisão final da Direção Geral de Saúde (DGS) sobre a vacinação desta população. Mas tudo está preparado para nos fins de semana entre 14 de agosto e 19 de setembro serem administradas as duas doses de vacina às cerca de 570 mil crianças e jovens entre os 12 e os 17 anos“.

Ainda sobre a educação, António Costa frisou que será feita uma “recuperação de aprendizagens”, cujo “ambicioso plano” será executado ao longo dos próximos dois anos letivos.

O Governo vai investir 900 milhões de euros em programas de promoção do “sucesso escolar” e “aumento do número de professores e técnicos especializados nas escolas, designadamente através do reforço de créditos horários e do alargamento dos programas de tutoria para apoiar os alunos com maiores dificuldades“.

Outra das prioridades do executivo será o reforço do SNS.

No entendimento do governante, “ficou bem demonstrada a importância do investimento iniciado em 2016 nos recursos humanos”.

Fonte: Jornal de Notícias.


Reader's opinions